Você não tem permissão para ver essa notícia

Notícias

O desafio da governança tributária no Ceará

Tendência de busca pela padronização de controles e por nova dinâmica.

21 de maio de 2018
Marcos Furtado

*Por Marcos Furtado

Frente ao atual cenário tributário local e nacional, a discussão sobre as melhores práticas de governança e controles na área de impostos vêm ganhado força e espaço permanente nos comitês executivos das empresas no Brasil e no mundo. Aqui no Ceará, especificamente, esse tema vem evoluindo, a partir da profissionalização de grupos empresariais por meio da abertura de capital ou negociação de participações com acionistas estrangeiros, quando foram propostos modelos de gestão pautados em políticas e regras de conduta pré-definidas, sob um ambiente de controle com ações e fiscalização de procedimentos.

A partir disso, vem sendo desenvolvida no estado do Ceará uma tendência de busca pela padronização de controles e por nova dinâmica na hierarquização das decisões, tendo como principais objetivos uma melhor gestão e garantia da conformidade dos dados fiscais, sobretudo com o rápido desenvolvimento tecnológico do Fisco. Ainda que tenha havido uma sensível evolução do tema, a implantação da governança tributária, principalmente, para as pequenas e médias empresas ainda é muito incipiente.

É sabido que o ambiente tributário brasileiro é complexo com normas complexas e obrigações acessórias excessivas. De acordo com estudos da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), por exemplo, são necessárias cerca de 2.600 horas para elaboração das obrigações fiscais exigidas no país, muito menos do que as 350 horas, média da América Latina. A nova dinâmica de gestão tributária, portanto, além de representar um grande desafio para o os profissionais e empresários cearenses, criou novas perspectivas de gestão, até então pouco exploradas.

Nesse sentido, o Instituto Brasileiro de Governança Coorporativa (IBGC) emitiu o chamado Código das Melhores Práticas de Governança Coorporativa. O documento traz as premissas para a criação do Comitê de Tributos que, de forma ampla, terá a função de acompanhar os assuntos relacionados ao gerenciamento dos aspectos tributários, preparando estudos e propostas a serem encaminhadas ao Conselho de Administração. 

*Marcos Furtado é diretor de tributos do escritório da KPMG em Fortaleza. 

 

Sobre a KPMG
A KPMG é uma rede global de firmas independentes que prestam serviços profissionais de Audit, Tax e Advisory. Estamos presentes em 154 países e territórios, com 200.000 profissionais atuando em firmas-membro em todo o mundo. No Brasil, são aproximadamente 4.000 profissionais, distribuídos em 22 cidades localizadas em 13 Estados e Distrito Federal.

Orientada pelo seu propósito de empoderar a mudança, a KPMG tornou-se uma empresa referência no segmento em que atua. Compartilhamos valor e inspiramos confiança no mercado de capitais e nas comunidades há mais de 100 anos, transformando pessoas e empresas e gerando impactos positivos que contribuem para a realização de mudanças sustentáveis em nossos clientes, governos e sociedade civil.
 

Twitter: http://www.twitter.com/@kpmgbrasil
Site: kpmg.com.br
LinkedIn: www.linkedin.com/company/kpmg-brasil
Facebook: facebook.com/KPMGBrasil
 

Atendimento à Imprensa
Ricardo Viveiros & Associados - Oficina de Comunicação (RV&A)
Pedro Ulsen - pedro.ulsen@viveiros.com.br - 11 3736-1127
Bianca Antunes - bianca.antunes@viveiros.com.br - 21 3218-2049
Ana Azevedo - ana.azevedo@viveiros.com.br - 11 3675-5444
Gabrielle Fonseca - gabrielle.fonseca@viveiros.com.br - 21 3218-2044 
Twitter: http://www.twitter.com/@RVComunicacao
Facebook: facebook.com/ricardoviveiroscomunicacao
Site: viveiros.com.br
 

 

()