Você não tem permissão para ver essa notícia

Notícias

Selo de qualidade para o Brasil

Entrada do Brasil na OCDE representaria salto no cenário socioeconômico global.

29 de março de 2019

O Brasil tem avançado nas negociações para sua adesão à OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico), iniciadas em 2017, quando protocolou seu pedido de ingresso na organização.

A OCDE tem como objetivo sugerir guidelines tributários, bem como promover políticas internacionais em economia, finanças, relações comerciais, sociais e ambientais, entre outras. De acordo com Edson Costa, sócio-diretor de Transfer Pricing da KPMG no Brasil, a entrada oficial do País na organização representaria uma chancela de qualidade. “Poderia melhorar a imagem do Brasil no exterior, atrair novos investimentos e abrir um canal de comunicação com as economias mais avançadas”, explica.

Essa organização intergovernamental dita as boas práticas econômicas e tributárias, de forma que a adesão à OCDE implica necessariamente o atendimento de padrões mínimos que atendam às expectativas da entidade.

Nesse processo, o Brasil já vem participando dos fóruns e discussões da OCDE. As reuniões permitem que os governos trabalhem juntos para compartilhar experiências, encontrar as melhores soluções para os problemas e impulsionar mudanças significativas em todos os setores de atuação.

Entre os fóruns dos quais o Brasil participa, a sócia-líder de Transfer Pricing da KPMG no Brasil, Eliete Ribeiro, comenta que o Brasil está fortemente inserido nas discussões da Base Erosion and Profit Shifting (BEPS), um projeto da OCDE que visa uniformizar as regras internacionais tributárias. “Dessa forma, elimina hoje algumas discrepâncias com as quais as empresas multinacionais têm que lidar”, esclarece a sócia.

De forma geral, as mudanças de normas que virão com o ingresso na OCDE poderão causar impactos nas empresas. Por isso, a KPMG no Brasil, juntamente com sua rede internacional, está preparada para assessorar seus clientes na análise prévia dos potenciais impactos do ingresso na OCDE nas regras de transfer pricing.

No vídeo a seguir, Eliete Ribeiro e Edson Costa falam mais sobre a entrada do País na OCDE. Confira:
 

 

De acordo com informações oficiais, a OCDE atua desde 1961, mantém sede em Paris, movimenta 374 milhões de euros, publica 250 estudos por ano e possui um secretariado com 2.500 profissionais.

()