Você não tem permissão para ver essa notícia

Indústrias

Gigante asiática

Davi Wu comenta o potencial de negócios com a China, a maior parceira comercial do Brasil.

15 de outubro de 2019

Nos últimos 10 anos, os investimentos chineses no Brasil somaram mais de US$ 100 bilhões, e a expectativa é de que esse valor ultrapasse R$ 1 trilhão nos próximos 20 anos. É o que exemplifica Davi Wu, líder do China Desk na KPMG no Brasil e na América do Sul, sobre o potencial de negócios com o país asiático.

Com 1,4 bilhão de consumidores, a China estabeleceu uma economia bilateral com o Brasil para a exportação de commodities. A indústria agrícola brasileira fornece aves e suínos, dentre outros produtos para a China. Há, também, uma grande demanda de minério de ferro.

A China conta com mão de obra qualificada, profissionais bilíngues e até poliglotas, e uma burocracia mais flexível, em um momento em que os investidores estrangeiros não precisam mais de um sócio local para estabelecer negócios.

Já os principais investimentos do país asiático no Brasil envolvem os setores de infraestrutura, distribuição de energia e mineração. Davi Wu explica que os investimentos chineses se expandem principalmente nas Regiões Norte e Nordeste do Brasil, considerando o foco em energias renováveis.

No vídeo a seguir, o líder do China Desk conta mais sobre o potencial desse mercado bilateral e como a KPMG está preparada para apoiar as empresas que desejam fazer negócios no Brasil, desde a assessoria em novos investimentos até a execução de projetos de fusões e aquisições. A organização também presta serviços para as empresas brasileiras que querem expandir seus negócios no país asiático. Assista!

()